sábado, 3 de abril de 2021

Pode criança na garupa? Só com 10 anos ou mais!

A partir de 12 abril de 2021 só as crianças com 10 anos ou mais poderão ser transportadas nas motos. Essa é a data que entra em vigor a Lei 14071/20, que alterou o Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Antes a idade limite era de 7 anos e passou para 10, além da idade mínima é necessário que a criança tenha condições de cuidar da própria segurança - apoiar os pés nas pedaleiras e se segurar no adulto. Quem desobedecer a lei receberá uma multa gravíssima, a moto e a CNH serão recolhidas, informou o Detran-SP em comunicado à imprensa. 

Se fosse pega a moça pagaria multa de R$ 293,47 além de ter a moto e a CNH recolhidas


quinta-feira, 1 de abril de 2021

Licenciamento placa final 1 até 30 de abril, veja como fazer

Os donos de veículos com placa de final 1, tem até 30 de outubro para fazer licenciamento referente a 2021. O prazo varia de acordo com o final da placa, menos os caminhões e tratores (veja tabela abaixo).

O serviço é feito de forma digital, ou seja, não é preciso ir ao Detran ou Poupatempo para regularizar sua moto (ou carro). 

O valor da taxa para licenciar veículos usados é de R$ 98,91, independentemente do calendário de vencimento. Para veículos zero km, o valor é de R$ 131,80. Em comunicado o Detran avisa "É importante reforçar que neste ano não haverá cobrança de taxa do seguro DPVAT, conforme decisão do Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)".

Com o número do Renavam e pagar, via internet banking, aplicativo ou caixa eletrônico, os débitos – IPVA, possíveis multas e a taxa de licenciamento.

O pagamento poderá ser feito via internet banking, aplicativo ou caixa eletrônico nos bancos conveniados (Santander, Bradesco, Banco do Brasil, Safra, Itaú, Caixa Econômica Federal) e nas Lotéricas.

Um dia após o recebimento, o CRLV ficará disponível para download e impressão no item Licenciamento Digital nos portais do Poupatempo (www.poupatempo.sp.gov.br), Detran.SP (www.detran.sp.gov.br) e Denatran (portalservicos.denatran.serpro.gov.br), além dos aplicativos Poupatempo Digital, Detran.SP e Carteira Digital de Trânsito – CDT. O motorista poderá salvar o documento no próprio celular ou imprimir na sua casa, em papel sulfite comum.

Confira os prazos de licenciamento no Estado de São Paulo. 



quarta-feira, 17 de março de 2021

Limpeza e orientação no Rodoanel

 

kits de higiene e orientação para motos pequenas nas quartas e, nos fins de semana, motos grandes  

Os motociclistas que usarem o Rodoanel Mário Covas receberão um kit composto por  flanela, álcool gel, máscara, sabonete e porta-sabonete. A ação, promovida pela CCR RodoAnel em parceria com a Polícia Militar Rodoviária, acontecerá nos entroncamentos com as rodovias Castello Branco, Raposo Tavares, Bandeirantes, Régis Bittencourt, além da Avenida Raimundo Pereira de Magalhães. 

 Em comunicado à imprensa, a assessoria da CCR informa que os profissionais da concessionária atuarão nas quartas-feiras com ações para as motos de baixa cilindrada e nos finais de semana "o foco serão as motos de alta cilindrada".

Além do kit, os motociclistas receberão material impresso com orientações sobre segurança e manutenção dos veículos. 

segunda-feira, 8 de março de 2021

Entrevista com um comprador do Honda ADV

Fabiano e sua ADV (branca) está feliz com o novo scooter por conta da versatilidade
 Alguns produtos são capazes de criar expectativa por serem únicos, sem concorrentes. Um deles é o novo scooter ADV, lançado pela Honda, no final de 2020. Estivemos na apresentação para a imprensa, mas queríamos saber também a opinião de quem comprou o novo veículo. Para isso entrevistamos e viajamos junto com o jornalista e fotógrafo Fabiano Godoy, 48 anos, que tem vasta experiência com scooters. Na entrevista ele relembra os modelos que já estiveram na sua garagem, como os pequenos Suzuki Burgman 125 e o Honda Lead até os mais sofisticados como o Dafra Citycom 300 e o Honda SH 300. 

"Sou ligado no fora de estrada e também na praticidade e economia do scooter, vi que o Honda ADV reúne essas características". Fabiano já rodou bastante com seu ADV, principalmente em estradas de terra. Morador do interior de São Paulo precisa da versatilidade para enfrentar trechos não pavimentados "corto caminho por trás do condomínio e ganho tempo com isso" justifica o jornalista. 

Para encarar as estradas de terra o modelo vem equipado com pneus uso misto, que podem rodar tanto no asfalto ou fora dele. Na dianteira usa medida 110/80, rodas de 14 polegadas, na traseira roda de 13 polegadas e pneu mais largo 130/70. Além do desenho dos pneus, a distância livre do solo, item fundamental para ter tranquilidade em locais não pavimentados, é de 165 mm (ganho de 3cm em relação ao PCX). Os pneus também transmitem tranquilidade ao passar por trechos com lama ou alagados - situação bastante comum enfrentada por Fabiano no fim de verão quando as chuvas são constantes no período da tarde.

Saiba mais sobre a Honda ADV: https://bit.ly/3rxT9iO

Suspensão

A grande atração nesse tipo de scooter é o curso de suspensão, ou seja, o quanto a roda pode subir e descer ao passar por um buraco, valeta ou afundar durante a frenagem. Na dianteira esse curso chega a 13 centímetros, enquanto na traseira o curso é de 12 centímetros. Com essa medidas o piloto pode passar tranquilo pelos buracos sem o risco de dar fim do curso - quanto o amortecedor chega ao limite e o piloto sente uma pancada seca nas costas. Isso é fácil de perceber ao rodar em ruas de paralelepípedo ou mesmo com calçamento irregular.

fomos juntos até a Serra da Canastra, conhecer o ADV, a viagem confirmou as informações do proprietário

Outra característica importante é a fixação das carenagens "mesmo ao passar em estradas de terra, as carenagens não fazem barulho ou se soltam" afirma o proprietário. 

O motor com capacidade de 149,3 cc usa refrigeração líquida e atinge a potência máxima de 13,2 cv girando em 8.500 rpm enquanto o torque de 1,38 kgf.m está disponível em 6.500 giros. Os números são idênticos ao da PCX, porém as faixas de giros são menores – com destaque para o torque que chega mais cedo. Ou seja, quando começa a acelerar o piloto já sente a "força" do motor empurrando o scooter. A mudança se deve a maior fluxo de ar que chega ao propulsor por conta de alterações no duto de alimentação. Em nossa avaliação na estrada o ADV atingiu a velocidade máxima de 110 km/h no velocímetro.

O tanque de combustível tem capacidade para 8 litros e só pode abastecido com gasolina, segundo a Honda os técnicos do Instituto Mauá conseguiram consumo de 50,9 litros simulando o circuito urbano e 35,9 em ambiente rodoviário – velocidade constante de 80 km/h. Números surpreendentes, mas não impossíveis, dependendo do estilo de pilotagem. Segundo o proprietário a média de consumo oscila entre 36 e 43 km/litro. "Dependendo da forma que piloto na estrada consigo rodar mais de trezentos quilômetros, mas claro que depende da minha pressa".

Amigável, o scooter é um tipo de veículo muito fácil de conduzir, não tem pedal de câmbio ou manete de embreagem. O sistema de transmissão final é V-Matic, que usa polias e correia. As polias alteram de posição simulando uma marcha diferente. O sistema é bastante conhecido (e confiável) presente na maioria dos scooters do mundo. Esse tecnologia permite ao dono usar apenas as mãos (para acelerar e usar os freios). O freio dianteiro tem disco de 240 mm – com sistema ABS – enquanto a traseira usa disco de 220 mm. 

Ciclística

O quadro, do tipo berço duplo em aço – é o responsável por sustentar o motor e fixar suspensão traseira e dianteira.  O banco está a 795mm do solo e permite apoiar os pés com facilidade e controlar os 127 kg (a seco) desse novo Honda que oferece espaço para um capacete debaixo do banco e porta objetos no escudo frontal.


Destaque para o desing arrojado, inspirado no caro e sofisticado X-ADV, luzes em full LED, painel digital com dois computadores de bordo, chave Smart Key e sistema Idling Stop complementam o conjunto e fazem do ADV um scooter carismático e que chama atenção. Por falar em atenção, usa o prático sistema de luzes alerta, muito útil nas emergências de estradas ou ao parar nas praças de pedágio. 


O modelo tem preço público sugerido de R$ 17.490 - sem frete e seguro, tendo como base a cidade de Brasília (DF), nos outros Estados o preço final varia em função do ICMS, frete e política de preços do concessionário.  O valor da prestação, pelo consórcio Nacional Honda, começa em R$ 323,00 (para o plano de 80 meses). Sua garantia é de três anos (sem limite de quilometragem) e o fabricante oferece 7 trocas de óleo grátis.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

motor

Tipo OHC, monocilindrico, 4 tempos, refrigeração a liquido

Cilindrada 149,3 cc

Diâmetro x Curso 57,3 x 57,9 mm

Potência Máxima 13,2 cv a 8.500 rpm

Torque Máximo 1,38 kgf.m a 6.500 rpm

Sistema de Alimentação Injeção eletrônica PGMF-I

Relação de Compressão 10:6,1

Tanque de Combustível 8 Litros

Transmissão Tipo V-Matic

Óleo do Motor 0,9 Litro

Sistema de Partida Elétrico

Combustível Gasolina

chassi

Tipo Berço Duplo

Suspensão Dianteira Garfo Telescópico

Curso Amort. / Eixo Roda 130 /116mm

Suspensão Traseira Dois amortecedores

Curso Amort. / Eixo Roda 120 / 102 mm

Freio Diant. / Diâmetro A disco / 240 mm

Freio Tras. / Diâmetro A disco / 220 mm

Pneu Dianteiro 110/80-14M/C

Pneu Traseiro 130/70-13M/C

dimensões

Comprimento x Largura x Altura 1950 x 763 x 1153 mm

Distância entre Eixos 1324 mm

Distância Mínima do Solo 165 mm

Altura do banco795 mm

Peso Seco: 127 kg

Preço sugerido: R$ 17.490,00 (base Brasília – DF)