segunda-feira, 30 de março de 2020

Seremos zumbis ou não?

Você acredita que o mundo voltará ao normal ou seremos um bando de zumbis vagando pelo planeta Terra devastado pela pandemia. Nós da Revista MotoEscola, somos otimistas e já pensamos em como ajudar você a rodar com sua moto quando a quarentena acabar.
Após um tempão parado, a gente se sente meio preguiçoso como se os músculos estivessem enferrujados, não é mesmo? Então vale fazer uma caminhada leve, se esticar fazendo alongamentos, para não sofrer um estiramento e ficar todo "travado".
Com a sua moto é a mesma coisa, antes de sair rodando por aí, é preciso saber se ela está em "forma". Dá uma olhada nesses três vídeos que fizemos falando sobre os três cuidados básicos pós quarentena.

Não esquece de conferir o óleo

Muito importante para a saúde do motor, o nível de óleo garante que sua moto continuará econômica e confiável após esse tempo toda parada. Conferir o nível do óleo é muito fácil.
veja agora


Olha a pressão

Além do óleo, fique atento aos pneus, que devem estar na calibragem (pressão correta) é muito comum deixarmos a moto parada muito tempo e esquecer de calibrar o pneu.

Dá uma olhada:

E sua relação está bem

Corrente, coroa e pinhão... Esse trio é o responsável pela aceleração da sua moto. Cada vez que você acelera é esse conjunto (também conhecido como transmissão final) que leva a força do motor para a roda. Veja como deixar tudo certinho.

Confira:




terça-feira, 24 de março de 2020

Uma professora modelo

Ler e escrever é uma habilidade fundamental para a humanidade. Você já se imaginou como é a vida de um analfabeto? Abrir um cardápio e não saber o que está escrito, olhar uma placa de aviso e não entender e o pior, não conseguir escrever um e-mail ou carta. Se você conseguiu ler esse começo dessa postagem, significa que você é alfabetizado. Ou seja, sabe ler e escrever.

Agora pense um pouco e volte nos seus tempos de criança. Tenho certeza que foi uma professora que  ensinou o famoso "Bê-á-bá" ou seja, os primeiros passos para sua alfabetização. Com paciência e determinação ela explicou tudo direitinho, usou musiquinhas, brincadeiras e muita didática até você entender o incrível mundo das letras e dos números.

O que mais difícil?


Trazendo a lembrança para o mundo dos veículos, sejam motos ou carros, os instrutores fazem o mesmo papel e têm a mesma importância. Mas nesse post quero falar das instrutoras que são poucas, principalmente dando aulas de moto. Basta ir a um local de aulas práticas e ver que a maioria é formada por homens, existem poucas mulheres.

Entre elas, aqui no Estado de São Paulo, a Regiane Marangne, merece destaque. Ela venceu o concurso Instrutor Nota 10. A promoção, feita pela Revista Moto Escola contou o apoio da Honda e Sindautoescola.SP. Mais de 800 instrutores participaram e concorreram, entre eles apenas 140 eram do sexo feminino e Regiane foi a melhor.

Espaço na mídia


Sua conquista mereceu destaque nos principais portais de notícias do Brasil como o UOL (à esquerda) e o R7. No caso do UOL o destaque foi sua batalha para superar o preconceito (inclusive de alunas) que pensam que uma mulher não é capaz de ensinar alguém a pilotar (e dirigir) bem. Uma grande bobagem!

 Se uma mulher consegue ensinar uma criança a ler e escrever, que é uma tarefa extremamente complexa, claro que ela é capaz de ensinar um adulto pilotar ou dirigir. Ou você acha que conduzir uma moto ou carro é mais complicado que ler ou escrever?

Te convido ler a revista Moto Escola de março e curtir a matéria completa sobre a Regiane e como ela foi a melhor nas exigentes provas teóricas (e práticas). Para ler clique aqui!




terça-feira, 17 de março de 2020

Tudo sobre motos - parte 1

Como funciona o motor? O que é suspensão? Prá quê serve o quadro?
Se essas perguntas tiram seu sono e você está pensando em comprar uma moto, fique tranquilo. Eu vou te ajudar!!!!!!!!!!
Estou publicando uma série de vídeos para acabar com suas dúvidas e você vai saber tudo sobre as motos.
Assista ao capítulo 1 siga o  Canal Revista Moto Escola

sexta-feira, 6 de março de 2020

Veja como perder a garantia da sua moto


Além de não realizar as revisões no prazo determinado, algumas ações permitem ao fabricante cancelar a garantia; conheça


Um dos principais atrativos ao comprar uma moto “zero quilômetro” é a garantia oferecida pelo fabricante. Graças a ela o consumidor está coberto em caso de problemas de fabricação ou peças defeituosas. Honda e Yamaha oferecem três anos de garantia, sem limite de quilometragem e, em alguns modelos como a XTZ 250 Lander ABS, a garantia chega a quatro anos.
Além da extensão da garantia, a quilometragem limite para realizar as revisões na concessionária também varia de modelo para modelo. A melhor fonte para se informar nesse caso é o Manual do Proprietário.
O Manual também informa as condições da garantia e os casos em que ela pode ser cancelada. Muita gente não sabe que, se a moto participar de competições, transportar peso excessivo ou mesmo receber determinados acessórios, a garantia pode não valer mais. Veja alguns exemplos de atitudes que podem fazer você perder a garantia da sua moto nova.

1 – Revisões no prazo

A revisão por quilometragem percorrida pode ser 10% a mais ou a menos, ou seja: a revisão de 1.000 km pode ser feita aos 900 ou aos 1.100 km. Já a revisão de 6.000 km pode ser feita dos 5.400 km até os 6.600. Acima disso, a tolerância é de 600 km para todas as revisões. Além dos limites de quilometragem, o fabricante estipula prazo para as revisões. Muita gente faz a primeira revisão (de 1.000 km) e, como usa pouco sua moto, se esquece de fazer a revisão de 6.000 km no período estipulado.
As tolerâncias são curtas e as concessionárias não têm a obrigação de avisar ao cliente que o prazo de revisão está chegando ao fim. Ou seja, fique atento, se perder o prazo perdeu a garantia. Alterar o hodômetro também é motivo para perder a garantia da sua moto.

2 – Disputar competições

Participar de competições ou demonstrações também cancela automaticamente a garantia da moto. Se o concessionário perceber, por meio de desgastes de componentes, que houve uma pilotagem excessivamente agressiva ou a prática de manobras do tipo wheeling ou RL, por exemplo, a garantia também pode ser cancelada. Transportar carga além do limite da moto ou puxar reboque também são motivos que cancelam a garantia.

3 - Fique longe da água

Atravessar enchentes, alagamentos ou transitar pela praia podem causar problemas e deixam marcas na moto. Se a concessionária notar que a moto está com defeito por conta desse tipo de situação ou foi atacada pela maresia, por exposição à água salgada, a garantia também pode ser cancelada. O mesmo procedimento é adotado caso a moto seja lavada com jato de alta pressão ou com o uso de produtos químicos abrasivos.

4 – Rede autorizada

Todos os serviços mecânicos devem ser feitos na concessionária, por isso alguns parafusos são marcados para conferência posterior. Se as marcas estiverem violadas o fabricante cancela a garantia. Outro detalhe, se retirar a peça defeituosa e levar na concessionária a garantia também não terá mais validade. Em caso de defeito ou problema na moto nova, ela deve ser levada à concessionária. Não tente “fuçar” na sua moto, pelo menos enquanto ela for zero e estiver na garantia.

5 - Acessórios

Instalar acessórios como faróis de milha, lâmpada de LED e alarmes podem levar a perda de garantia da moto. No Manual da Yamaha, por exemplo, o fabricante alerta que até mesmo acessórios instalados na própria concessionária podem cancelar a garantia. Por falar em itens elétricos, a Honda informa que a bateria tem um ano de garantia, já a Yamaha oferece 90 dias para o mesmo componente.

terça-feira, 3 de março de 2020

Quanto bebe um scooter de 300 cilindradas?

Consumo e autonomia são fatores importantes na decisão de compra de qualquer veículo, principalmente para quem costumar viajar seja a trabalho ou passeio. Como entusiasta dos scooters resolvi avaliar o consumo e a autonomia do Honda SH 300i Sport numa viagem (ida e volta) de 400 quilômetros entre Atibaia e Campos do Jordão (SP).
viajei com o Honda SH 300i Sport para avaliar seu consumo e autonomia na estrada
Enchi o tanque antes de partir de Atibaia pela Rodovia D. Pedro I, com suas retas intermináveis e velocidade limitada em 110 km/h, depois peguei o acesso a Rodovia Ayrton Senna onde foi possível rodar em 120 km/h. Em pouco tempo peguei a indicação Taubaté e onde começa a SP 123, Rodovia Floriano Rodrigues Pinheiro, que segue em direção às montanhas da Mantiqueira. Estrada de pista simples e muito gostosa de percorrer. Aos poucos, o calor extremo do Vale do Ribeira dava espaço a temperaturas amenas e até um certo friozinho — tipico de Campos do Jordão.

Quanto gastou na ida? 

Após rodar 199 quilômetros entrei na cidade e fui extremamente bem recebido na casa do amigo e fotógrafo Marcelo Vigneron. Mas, antes de desfazer a mala, fui até o posto Linx (bandeira Shell) para abastecer. Para encher o tanque, com capacidade para 9,1 litros, foram necessários 7,28 litros (gasto R$ 33,88) projetando um consumo de 27,30 km/litro. Um número interessante que projeta a autonomia de 248 quilômetros. Claro, ninguém em sã consciência deixa a gasolina chegar até o "talo" antes de abastecer. Eu recomendo fazer uma parada a cada 150 quilômetros rodados para esticar a perna e abastecer. Assim você tem tranquilidade para procurar um posto confiável.
No dia seguinte fui testar e apresentar aos leitores do nosso blog a nova linha CB 500 da Honda (veja o vídeo aqui).

Quanto gastou na volta?

A volta foi no final de tarde debaixo de chuva e com uma certa pressa, por isso não economizei na aceleração - mas sempre obedecendo os limites das rodovias. Ao chegar em Atibaia abasteci no Posto 22 (bandeira Petrobras) com 206 quilômetros rodados. Espera um consumo maior, porém fiquei surpreso com os 7,41 litros (gasto R$ 32,58) consumidos apesar do ritmo um pouco mais agressivo. A autonomia projetada continua perto dos 250 quilômetros permitindo viagens tranquilas com esse scooter que tem preço de R$ 21.490 ou financiamento com parcelas de R$ 390 (R$ 11.020,34 de entrada + 36 parcelas).

segunda-feira, 2 de março de 2020

Que nojo!!!

Motoqueiro, motociclista, motoka, piloto etc... Não importa o nome, para quem anda de moto o capacete é um acessório obrigatório e, na minha opinião, mais do que isso é um companheiro. Quem já usou um capacete irado e cheio de estilo sabe como é legal, a gente se sente até mais bonito...
Mas não basta o capacete ter uma pintura invocada, se por dentro está cheirando mal. Vale lembrar que o capacete é um item pessoal que exige muito cuidado não tem nada mais nojento do que um capacete sujo ou mofado. Por isso, fique atento às condições de higiene ao guardar seu equipamento. Se ele estiver molhado, guarde num lugar arejado com a viseira aberta.
capacete no chão é chamariz para as baratas...
Há, e nunca deixe seu capacete no chão (as baratas adoram um lugarzinho quente e úmido). 











Fora isso é bom ficar ligado na hora de escolher o capacete. Além de ser bonito (de feio já basta você) o tamanho é um dos itens fundamentais. Além do tamanho, a escolha de um capacete legal depende de um monte de informações que você talvez nunca tenha ouvido falar. Então, separe alguns segundos e  Se liga no vídeo:

quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

Não quebre a corrente

Tem gente que tira carta de moto e não sabe que a moto tem RELAÇÃO. Você o que é isso e qual a sua função?
Então se liga pois ela é muito importante para a sua segurança e precisa de alguns cuidados básicos que você mesmo pode fazer em casa.
Confira no vídeo e saiba como manter uma boa relação com a sua moto que, assim como nós, precisa de atenção e carinho...

                                                                          🔻


quinta-feira, 16 de janeiro de 2020

Não faz pergunta besta!!!

Olhando as páginas do Facebook dos grupos de motos é comum encontrar perguntas repetidas.
Com quantos quilômetros troco o óleo da moto?
Como faço prá encher o pneu?
Posso lavar a moto com sabão em pó?

Tais dúvidas são bastante comuns (e normais) para quem está com sua primeira moto. Mas tem um jeito fácil de saber todas as respostas e não fazer besteira com a sua moto. Quer saber como?

LEIA O MANUAL!!!!!!!!


Isso mesmo, junto com a sua moto o fabricante entrega o Manual do Proprietário que traz todas as informações.

Quer saber mais? Veja o vídeo abaixo!